07 de fevereiro 2019 13:56

Tirando a trava

Estou publicando está matéria com atraso, eu não tirei férias em dezembro e janeiro, mas uma forte gripe me atrapalhou bastante, de qualquer forma fica como férias forçadas.

Estamos em dezembro a pauta da ALERJ está travada, em janeiro um novo governo assume, em fevereiro, uma ALERJ renovada em mais de 50%, também assume. Muita gente até hoje vive a divisão de uma eleição, muitos vivem como se a campanha continuasse, apesar da eleição estar definida, há um bom tempo. Era um desafio para a ALEREJ, definir fazendo o que é certo, ou deixar o barco correr, para que em fevereiro os novatos decidam….

A responsabilidade fez com que os deputados comparecessem e votassem as matérias, melhor assim, a causa pública tem de estar acima dos partidos, e de modos de governo. O resultado de uma eleição é relativo, importante é o País se encontrar com o crescimento, o importante é saber superar as crises, então assistimos à derrubada do veto sobre a CEDAE.

É um projeto aparentemente incompleto, ele tira as ações da CEDAE da garantia de um empréstimo, sem substituir por outra coisa, mas em outro projeto diz que os créditos que a empresa tem a receber do governo federal, referentes a benesses fiscais da empresa, fiquem como garantia. O segundo projeto passou, mas o primeiro foi vetado pelo governo Pezão. Então depois de dias com a pauta travada, a ALERJ retirou o veto sobre o primeiro projeto, no entanto quem desconhecia o segundo projeto, acreditava se tratar de uma armadilha do governo Pezão, para complicar a vida do novo governo. Empréstimo sem garantia, tem de ser cancelado, e sem o empréstimo o regime de recuperação fiscal ia para o brejo A derrubada deste veto acabou judicializado, e o novo governo sempre declarou temer que a derrubada do veto pudesse extinguir o regime de recuperação fiscal, mas nada fala sobre a troca de garantias. Mas é neste ponto que a coisa complica, o governo Pezão, poderia vender a CEDAE, e usar em outro destino os créditos que a CEDAE tem a receber de Brasília, ou deixar mais de 5 bilhões de brinde, para o novo dono da CEDAE, olha a corrupção aí gente!!!!!! Ainda bem que eles perderam a eleição. Veja que na entrevista o representante da CEDAE fala que agora se poderia entrar com o pedido de troca, e neste ano me informou que o segundo projeto já estava aprovado desde setembro de 2018.

Eu sou contra o acordo de recuperação fiscal, que é inconstitucional, mas eles declaram que sem isso, não haveria o pagamento dos servidores em dia. E depois os novos governos, vão sentar, para fazer um acordo decente.

Com a queda do veto da CEDAE, a pauta ficou livre para a queda de outros vetos, então veio o do PCCS da Saúde, uma causa que se arrasta por mais de 30 anos.

Depois da derrubada do último veto que impedia o PCCS, ficará a cargo do novo governo a autorização para começar a pagar. Que pode ser já, ou no meio do ano, mas que venha logo.
Então entrevistei deputados, e seguimos em frente, infelizmente caiu o veto sobre a Lei 8210 que beneficia a venda da FCA/VLI, empresa que atualmente pertence a Vale, e que já fiz uma matéria sobre isso, leia em https://riodevoltaaostrilhos.org/uma-lei-para-ingles-ver/

Obs. Estou em campanha para aumentar minhas inscrições no Youtube o problema todo está que no início eu não ligava para isso, achava que ia te encher o saco pedindo para se inscrever, mas hoje dentro do Youtube, eu preciso disto para ter destaques. No geral, tenho um excelente número de visualizações, de tempo das pessoas assistindo os vídeos, de compartilhamento, das pessoas que marcam gostei, agora de comentários um número razoável, mas de inscritos, um número inexpressivo. Então o jeito foi fazer esta campanha, e se você também precisar avise, que me inscrevo em seu canal. Para se inscrever basta ter uma conta no Gmail. Muito obrigado. https://youtube.com/user/revistaamigosweb

Carlos Senna Jr.

MTB 32447/RJ

carlossennajrjornalista@gmail.com


muspe.org © 2017 - 2019 Todos os direitos reservados. Design by: Realidade Virtual